Trabalhos de Conclusão de Residência

Página:  1  2  3  4  5  6  7  (Próximo)
  Todos

ADESÃO À TERAPIA ANTIRRETROVIRAL E SUA ASSOCIAÇÃO COM A FAIXA ETÁRIA DE PESSOAS VIVENDO COM HIV ASSISTIDAS EM SALGUEIRO/PE

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 11:53
 

Autora: ELIANE PEREIRA DO NASCIMENTO

 

 

 


ADESÃO À TERAPIA ANTIRRETROVIRAL E SUA ASSOCIAÇÃO COM A RELIGIÃO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV NA VI REGIÃO DE SAÚDE

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 11:50
 

Autor: Edmilson Heleno de Lima

 

Resumo
Este estudo tem como objetivo analisar a associação entre a adesão à terapia antirretroviral (TARV) e a religião de pessoas vivendo com o Vírus da Imunodeficiência Humana – HIV (PVHIV) na VI Região de Saúde. Trata-se de um estudo descritivo, quantitativo e transversal. A amostra foi composta pelas PVHIV cadastradas no Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM), em 2016 do Serviço de Assistência Especializada – SAE da VI Região de Saúde, com mais de 18 anos de idade, e realizando a TARV a pelo menos 6 meses. Os dados foram analisados através de estatística descritiva. Utilizaram-se testes Qui-quadrado de Pearson e Exato de Fisher, margem de erro de 5%. Das pessoas entrevistadas 54% informaram que a religião não teve influência na sua adesão à terapia antirretroviral e 70,8% dos classificados com nível de adesão inadequada eram possuidores de alguma religião, com predominância do catolicismo. Conclui-se que a religião não é um fator relevante na adesão de PVHIV à TARV, porém o não alcance da amostra estimada pode ter influenciado diretamente no resultado, sendo proposta a realização de novas pesquisas que abordem, além da temática do presente estudo, outros aspectos da adesão.


Descritores:Religião. Religiosidade. HIV. Aids. Terapia Antirretroviral.

 


A INFLUÊNCIA DAS RELAÇÕES INTERSETORIAIS NO PROCESSO DE TRABALHO EM UMA GERÊNCIA REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 14:13
 

Autor: JOSÉ SÁVIO VIEIRA DE SÁ JÚNIOR

 

RESUMO
Este estudo teve como objetivo entender como ocorre o planejamento das ações e se estas funcionam de maneira integrada e identificar as fragilidades que possam interferir neste processo. Para isto, foi realizada uma pesquisa na V Gerência Regional de Saúde do Estado de Pernambuco, e como sujeitos do estudo, participaram os servidores ligados diretamente à gestão deste serviço, representados pelos coordenadores dos setores e pelo (a) Gerente da instituição, em um total de cinco participantes. Para coleta de dados foi utilizada uma entrevista semi-estruturada. Após a coleta, os dados foram transcritos e analisados utilizando a análise de conteúdo. Os dados foram sistematizados em 3 categorias: O trabalho e suas interfaces no contexto da Gerência Regional de Saúde; A comunicação, integração e articulação intersetorial: análise a partir da concepção das coordenações e da gerência no cotidiano de trabalho na instituição e Intersetorialidade: construindo estratégias que possam contribuir para a melhoria do processo de trabalho intersetorial na Gerência Regional de Saúde. Conclui-se haver interferências que influenciam no processo de trabalho intersetorial e na comunicação, articulação e integração entre os setores que compõem a Gerência Regional.


Palavras-chave: Intersetorialidade; Coordenações; Articulação; Integração

 


A (IN)SEGURANÇA ALIMENTAR E SEUS DETERMINANTES EM GESTANTES DO PROGRAMA MÃE CORUJA DA VI REGIÃO DE SAÚDE DE PERNAMBUCO

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 11:35
 

Autora: Allyna Rafaela Sampaio de Moura

 

Resumo
A Segurança Alimentar e Nutricional é uma área que vem sendo cada vez mais abordada e estudada, visto a importância da mesma para a saúde pública. A garantia ao acesso aos alimentos em quantidade e qualidade suficientes para toda população é algo que faz parte da luta pela igualdade social. Esse estudo avaliou a (In)segurança alimentar e seus determinantes em trinta gestantes acompanhadas pelo Programa Mãe Coruja nos municípios de Arcoverde e Buíque, pertencentes a VI Região de Saúde de Pernambuco; através da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar(EBIA) juntamente com dados socioeconômicos e demográficos. Trata-se de um estudo transversal, de análise quantitativa. Os resultados demonstraram que 50% (n=15) dessas gestantes estavam em segurança alimentar, como também 50% (n=15) se encontravam em algum grau de IA. A partir de então, identifica-se que com o cruzamento das questões respondidos nos dois instrumentos (EBIA e cadastro), é possível obtermos dados mais fidedignos e se necessário, formular e/ou intensificar ações para melhorar a qualidade de vida destas gestantes.


Palavras-chaves: Segurança alimentar e nutricional; Programa mãe coruja; Gestantes.

 


ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ADESÃO DO USUÁRIO À TERAPIA ANTIRRETROVIRAL EM UM SERVIÇO ESPECIALIZADO NO SERTÃO DO PAJEÚ DE PERNAMBUCO

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 11:54
 

Autor: EMANOEL FHILIPE LEITE SOUZA

 

Resumo
Objetivo: verificar a associação entre o uso do álcool e outras drogas na adesão da pessoa vivendo com HIV à terapia antirretroviral. Métodos: estudo descritivo exploratório, com abordagem quantitativa, população de 100 usuários e amostra de 71, realizado no Serviço de Atendimento Especializado de Serra Talhada-PE. Foram utilizados dois instrumentos de coleta, questionário sobre dados sociodemográficos, aspectos clínicos e CEAT-VIH, que avalia o comportamento de adesão a TARV. Resultados: 56% era do sexo masculino, cor parda, e faixa etária entre 40-60 anos. 54,9% dos entrevistados disse fazer uso do álcool e /ou outras drogas. Sobre o nível de adesão das pessoas vivendo com HIV em tratamento, 93% foi classificado como nível de adesão inadequado. Não houve associação significativa (p=0,1232) entre o uso do álcool e outras drogas. Conclusão: estatisticamente não há associação significativa entra o uso do álcool e outras drogas com a adesão inadequada a TARV, no entanto, o uso exagerado expõe a pessoa a situação de vulnerabilidade.

Palavras-chave: HIV; Álcool; Adesão; Terapia Antirretroviral.

 


ALTERAÇÕES LABORATORIAIS EM PACIENTES COM HIV/AIDS, TRATADOS COM ANTIRRETROVIRAIS, NA XII REGIONAL DE SAÚDE, DE PERNAMBUCO

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 11:49
 

Autor: DIEGO FILIPE RAMALHO DO NASCIMENTO

 

Resumo
Objetivo: Identificar as principais alterações bioquímicas em pacientes vivendo com HIV, em uso da terapia antirretroviral, em Pernambuco. Método: Estudo exploratório descritivo, realizado no SAE da cidade de Goiana, localizada na zona da mata de Pernambuco. Resultados: A maioria das solicitações
médicas foram para os marcadores colesterol total e glicemia em jejum. A partir de um total de 40 resultados, 60,0% tiveram como resultado indesejável, para o colesterol total. Na glicemia em jejum, 82,1%, tiveram como resultado, a normoglicemia. Nos marcadores uréia e creatinina, a maioria dos pacientes estavam com nível normal, apenas 7,1% fora dos padrões da normalidade.
Conclusão: O emprego TARV propicia o desenvolvimento das alterações laboratoriais associadas ao HIV. Aponta-se para a necessidade de um acompanhamento clínico e laboratorial dos pacientes acometidos pela infecção pelo HIV, em uso de TARV, com o intuito de reduzir as alterações laboratoriais.


PALAVRAS-CHAVE: HIV; tratamento antirretroviral; colesterol; glicemia; ureia;
creatinina

 


ANÁLISE DA GOVERNANÇA REGIONAL SOBRE A POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO DA IX REGIÃO DE SAÚDE

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 11:25
 

Autora: NAYANNE LEITE BEZERRA

 

RESUMO

Nas últimas décadas, estão sendo realizadas iniciativas para consolidar avanços nas políticas públicas de atenção integral em Saúde do Trabalhador que incluem ações envolvendo assistência, vigilância, promoção e prevenção dos agravos relacionados ao trabalho. No ano de 2012, a Portaria GM/MS nº 1.823/2012 instituiu a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (PNSTT), que tem por finalidade definir os princípios, as diretrizes e as estratégias a serem observados nas três esferas de gestão do Sistema Único de Saúde (SUS). Este trabalho tem como principal objetivo analisar o processo de governança que ocorre na Comissão Intergestores Regional (CIR) quanto às decisões sobre a PNSTT na IX Região de Saúde. O estudo seguiu o delineamento exploratório-descritivo, com análise interpretativa, do tipo documental, das pautas e atas da CIR nos anos de 2013 e 2014. De acordo com os documentos analisados, no período citado, constatou-se que o tema estava inserido em três pautas e duas atas. Com base na análise do conteúdo dos documentos oficiais, percebe-se que a CIR, em estudo, vem discutindo e tomando decisões pontuais para a organização do sistema regional de Saúde. Portanto, pode-se dizer que a CIR é um espaço para a organização do sistema regional de saúde. Contudo, necessita agir no intuito de organizar e planejar os sistemas municipais e regional referentes à Saúde do Trabalhador.


Palavras-chaves: Governança, Saúde do trabalhador, Sistema único de Saúde

 


ANÁLISE DA MORTALIDADE INFANTIL NO PANORAMA DA REDE CEGONHA PARA UMA REGIÃO DE SAÚDE DE PERNAMBUCO

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 15:14
 

Autora: YRISMARA PEREIRA DA CRUZ

 

RESUMO

O presente artigo teve por objetivo avaliar como se comportou o indicador da Taxa de Mortalidade Infantil (TMI) frente à implantação e implementação da Rede Cegonha (RC) para a VII Regional de Saúde de Pernambuco no período de 2012 a 2016. Metodologicamente, tratou-se de uma pesquisa descritiva que conjugou de abordagem quantitativa. Os dados para a discussão foram extraídos do SIM, Sinasc, documentos institucionais e atas da CIR da VII Regional correspondente ao período de 2012 a 2016. Concluiu-se que embora não seja possível assegurar que a TMI para a VII Regional manteve-se alta durante o período de estudo devido a não estruturação da RC, certamente os vazios assistenciais da rede contribuíram para isso.

PALAVRAS-CHAVE: Rede Cegonha. Mortalidade Infantil. Regionalização.

 


ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO DOS GESTORES MUNICIPAIS DE SAÚDE NAS REUNIÕES DA COMISSÃO INTERGESTORA DA V REGIÃO DE SAÚDE DE PERNAMBUCO NOS ANOS DE 2016 E 2017

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 14:28
 

Autora: LUCIANA CARLA FERREIRA DA ROCHA

 

RESUMO

O artigo discorre sobre a Comissão Intergestora Regional (CIR) da V Região de Saúde de Pernambuco e a participação dos gestores municipais de saúde nesse espaço. É uma pesquisa de cunho quantitativo que utilizou, para coleta de dados, os documentos oficiais das reuniões da CIR, pautas e atas de frequência e reunião, do período de janeiro de 2016 a dezembro de 2017. Tais documentos foram analisados de acordo com o método de Bardin, e por fim dividido em duas categorias: frequências dos gestores municipais de saúde nas reuniões da CIR e; quantidades de pactuação realizadas nas reuniões. Os dados adquiridos revelaram que o período de agosto a outubro do ano de 2016 não atingiu o mínimo de participação dos gestores nas reuniões da CIR para pactuar propostas. Porém, em 2017, todas a reuniões realizadas obtiveram mais de 50% da frequência dos gestores municipais, por conseguinte o percentual de aprovação das pactuações foi maior que o ano anterior, mesmo com esta mudança, municípios próximos da sede continuaram com baixa frequência ao contrário de municípios distantes, com mais de 90km da sede, mostrando que a distância não é fator impeditivo para a frequência dos gestores nas reuniões. Vale salientar que devido a existência de um quórum mínimo de 11 municípios para aprovação das pactuações, a ausência dos gestores não afeta apenas o seu município, mas prejudica diretamente as pactuações que beneficiam os outros municípios, e consequentemente o fortalecimento da regional a qual faz parte.

Palavras-chave: Comissão Intergestora. Pactuação. Gestores de Saúde. Região de Saúde

 


ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE MATERNA E INFANTIL A PARTIR DE DOIS INDICADORES ESTRATÉGICOS DA REDE CEGONHA NA IX REGIÃO DE SAÚDE DE PERNAMBUCO

por ESPPE Portal EAD - quarta, 7 jul 2021, 14:53
 

Autora: TAINNÁ BARRÊTO FEITOZA

 

RESUMO
A pesquisa analisa a situação de saúde materna e infantil a partir de dois indicadores estratégicos da rede cegonha na IX Região de Saúde de Pernambuco, tendo como base a linha histórica de 2010 à 2016. O objetivo foi descrever as ações e serviços da Rede Cegonha, assim como, analisar os indicadores de morbimortalidade materna/infantil e os de gestão da regional. Trata-se de uma pesquisa quantitativa e descritiva. Utilizou-se o banco de dados da Vigilância em Saúde da IX GERES, dos seguintes sistemas: Sistema de Informação sobre Mortalidade–SIM, Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos – SISNASC, Sistema de Informação de Agravos de Notificação –SINAN. Utilizou-se também o Plano Diretor de Regionalização -PDR atualizado e a Programação Pactuada e Integrada - PPI atualizada, assim como documentos oficiais da RC na IX Região de Saúde. Os dados foram trabalhados pelo programa Microsoft Excel. Encontrou-se uma rede em processos de articulações, frente a realidade de recursos do território, com ações em replanejamentos recentes. Os indicadores de morbimortalidade, mostram a necessidade constante dos gestores debaterem a saúde materna e infantil da região, buscando estratégias de ampliação e qualificação do serviço ofertado. Os indicadores de gestão mostra-se atualizados, com exceção da PPI, que é o único indicador da gestão pactuado antes da implantação do RC. Contudo, a pesquisa possibilita conhecer o cenário local, analisar os indicadores e readequar a assistência oferecida a população, contribuindo para promoção de saúde coletiva, e reconhecendo a amplitude do modelo de cuidado desenhado pela Rede Cegonha.

 

 



Página:  1  2  3  4  5  6  7  (Próximo)
  Todos